PT | EN
PT | EN

CUCA ROSETA – AMÁLIA E ORQUESTRA | Lisboa [Arquivo]
Programação Regular

#OAPARTILHA 

Nunca é demais lembrar e cantar Amália, a maior voz e referência do fado de sempre. Será também um raro e grande privilégio poder ouvir Cuca Roseta num espetáculo único, no qual irá cantar muitos dos temas mais conhecidos de Amália Rodrigues, acompanhada pela Orquestra do Algarve.

O concerto terá lugar na Culturgest e toda a receita reverterá a favor da Fundação Amália Rodrigues que cuida e protege todo o espólio e obra da fadista.Certamente um espetáculo a não perder!

 

Cuca Roseta, Voz

Sandro Costa, Guitarra Portuguesa

Francisco Sales, Viola de Fado

Marino Freitas, Contrabaixo e orquestração

Vicky Marques, Percussão

Élio Anes Leal, Maestro

Orquestra do Algarve

 

 

03/11

LISBOA

Culturgest

19h00

Bilhetes: 30€

À venda na Ticketline e bilheteira física da Culturgest.

Informações: T: 217 905 454 (Culturgest)

 

Fundação Amália Rodrigues e Caixa Geral de Depósitos, Organização

 

____

CUCA ROSETA

Fadista

Cuca Roseta nunca escondeu o seu grande amor pela voz e pela obra de Amália Rodrigues. Foi a ouvir Amália que Cuca Roseta se descobriu fadista, foi a cantar o seu reportório que encontrou a sua própria voz. E foi por isso que, num gesto de sentido agradecimento e assumida filiação, gravou em 2020 o álbum Amália por Cuca Roseta, tendo percorrido os palcos com as suas tocantes e magnificas interpretações de temas como “Lágrima”, “Ai Mouraria”, “Estranha Forma de Vida”, “Barco Negro” ou “Com que Voz”. Mais do que uma homenagem à intérprete maior do fado, Cuca Roseta assinava um profundo agradecimento pessoal à artista que, pela infatigável procura pela excelência e pela liberdade artísticas, ganhou um lugar de absoluto destaque no seu caminho, tornando-se desde cedo na sua maior referência.

Foi a cantar “Novo Fado da Severa (Rua do Capelão)”, do reportório de Amália, que a voz de Cuca Roseta rompeu o anonimato e se elevou para um ponto de reconhecimento que, desde então, não parou de escalar. E desde então, desse emblemático momento incluído no histórico filme Fados de Carlos Saura, Amália esteve sempre por perto, surgiu sempre nos seus concertos, como se Cuca Roseta fizesse questão de lembrar e de localizar a sua raiz no fado, mas também de sublinhar a admiração pela voz que levou o fado mais longe e lhe permitiu ser um substantivo muito mais abrangente. Amália foi, em cada etapa, uma espécie de candeia a alumiar o percurso que Cuca ia inventando para si, construindo a sua própria visão do fado e o seu próprio reportório.

 

Como é habitual no percurso de Cuca Roseta, a fadista só aceitar colocar na sua voz as histórias com que se identifica por completo e que lhe permitem, por isso, contar-se e cantar-se a si mesma. E assim se explica também que Cuca Roseta aborde estes fados com tamanha expressividade e autenticidade, apenas descobrindo como cada um destes versos pode soar à sua mais pura e inteira verdade. No fundo, Cuca reclama para o seu canto os poemas que cartografam a sua vida, dentro e fora da música, enquanto cantora e enquanto mulher.

Agora, depois de aprofundar essa intensa relação com a obra de Amália no álbum Amália por Cuca Roseta - reivindicando tanto os fados como as marchas populares, tanto o mais íntimo dramatismo como a mais contagiante exuberância, a fadista volta a essa sua referência nuclear para uma noite única e inesquecível na Culturgest, uma das mais prestigiadas salas lisboetas, onde os grandes clássicos de Amália se escutarão com todo um novo fulgor em versões orquestrais, asseguradas pela Orquestra do Algarve. Em palco, Cuca Roseta cantará metade do concerto acompanhada pelo seu habitual trio de fado, juntando-se a orquestra, com arranjos inéditos escritos para a ocasião, durante a segunda metade do espetáculo.

A receita reverte para a Fundação Amália Rodrigues, a fim de contribuir para a preservação da obra e do espólio de uma das vozes maiores do século XX. O concerto conta com o apoio especial da Caixa Geral de Depósitos e da EGEAC. À sua maneira, e da forma que melhor sabe, também Cuca Roseta contribuirá para a preservação da obra de Amália - cantando-a como um reportório vivo e atual, eterno e imaculado.

 

_____

ÉLIO ANES LEAL

Maestro

 

Élio Anes Leal, natural do Bombarral, é licenciado em Direção de Orquestra pela Academia Nacional Superior de Orquestra onde estudou sob a orientação do maestro Jean-Marc Burfin. Em diversos contextos teve oportunidade de dirigir a Orquestra Sinfónica do Chipre, Orquestra Metropolitana de Lisboa, Orquestra Sinfónica Portuguesa, Orquestra do Algarve, Orquestra do Norte, Orquestra Ibérica, Orquestra de Cascais e Oeiras, Orquestra Promenade, Orquestra de Câmara do Luxemburgo, entre outros. Já acompanhou músicos e solistas de vários estilos, destacando-se Artur Pizarro, Sofia Escobar, Carlos Guilherme, Tim Howar, John Addison, Jorge Palma, Luís Represas, Gisela João, Paulo de Carvalho, Rita Guerra, Vitorino Salomé, Mafalda Arnauth, Tim, Carlão, entre outros.

Desde 2005 é maestro da West Europe Orchestra, orquestra de jovens que fundou e com a qual foi vencedor nacional da 1ª Edição do Prémio Europeu Carlos Magno para a Juventude, em 2008.

Entre 2015 e 2022 foi professor no Conservatório de Música da Metropolitana e maestro da Orquestra Juvenil Metropolitana. Dirigiu em estreia absoluta várias obras de compositores portugueses por encomenda da Metropolitana e em 2019 participou na série da SIC Notícias “As empresas são como orquestras?” em parceria com a Deloitte Portugal. É regularmente convidado para dirigir estágios de orquestra para jovens um pouco por todo o país.


voltar

Se deseja receber notícias sobre futuros eventos, subscreva a nossa newsletter

Subscrever

Morada
Rua João Brito Vargas
Casa das Figuras
8005-145 Faro
Siga-nos